Imagine um caminhão pesado saindo da estrada, descendo uma colina e ficando preso na lama grossa e pegajosa.
Tentando sair, ele desesperadamente gira as rodas, lama voando por toda parte sem solução.

A recomendação é desacelerar, dar um tempo, girar as rodas para outro lado e tentar recuar OU acredita ser a mais sábia das opções para seguir o seu destino é pressionar o acelerador até o limite?
Se você diminui a velocidade poder olhar o mapa, se orientar e prosseguir com a razão da prudência pode não é uma boa estratégia de longo prazo, mas certamente é preferível em um relacionamento em crise tirar um tempo para se acalmar, mensurar os momentos bons e ruins, reagrupar e pensar em soluções razoáveis.

Relacionamento em crise – Casamento em crise

Viraram mais amigos que amantes:

Você está com a sensação de que seu companheiro(a) é mais seu colega de quarto do que seu amante.
Isso ‘não é bom sinal’.

O seu parceiro ou cônjuge deve ser seu amigo, sim, mas com um vínculo mais forte entre vocês, também!
Se você sente que a relação está esfriando é hora de restabelecer este vínculo.
Pode ser bom procurar um aconselhamento profissional ou simplesmente preparar uma noite a dois.

Há sempre uma parte ressentida:

O ressentimento conjugal pode acabar em um relacionamento c.
É importante perceber o que se passa e o que precisa ser feito para melhorar a situação.

Não há comunicação:

A comunicação é fundamental para qualquer relacionamento bem-sucedido.
Portanto, não é surpreendente que, quando a comunicação falha, o seu casamento ou sua parceria possa estar em perigo.
A razão para a falta de comunicação varia – talvez ambos estejam demasiado ocupados.
Ou talvez haja um problema maior a ser resolvido.

De qualquer maneira, separe um tempo para sentar com o seu parceiro.
Certifique-se de que não haverá distrações, e converse.
Vá direto ao cerne da questão, é difícil mas necessário.

Intimidade é coisa do passado:

Quando a intimidade emocional e física deixa de existir é um grande sinal de que seu casamento está em crise.
Mas há muitas maneiras de reacender a chama.

Os especialistas em relacionamentos sugerem que comece com pequenas mudanças: “abrace-o mais vezes … tente aproximações que já não são comuns“.

Uma parte nem está disposta a tentar:

Quando uma das partes não está interessada em melhorar a situação, pode ser desanimador e frustrante para o outro.
Infelizmente, se a outra pessoa quer colocar um ponto final na relação, tem que aceitar.
Mas é possível consertar um casamento com o cônjuge ainda relutante.
Tente perceber o que falta e proponha aconselhamento.

Traição:

Casamento é um trabalho árduo, constante, mesmo sem a infidelidade.
Mas a traição pode fazer do casamento um desafio quase impossível.
Se você ou o seu cônjuge é culpado é hora de agir.
Primeiro, defina se o casamento vale a pena ser ‘salvo’.
Se for, exija transparência e entrega.

Discutem demais:

Um estudo descobriu que discutir é uma das oito razões mais comuns para o divórcio.
Se você e seu parceiro discutem mais vezes do que seria benéfico, pondere mudar isso.
Ouça mais, argumente com reflexão e tenha mais calma.
Discutir demasiado também cansa.

Não há mais tempo a sós:

É importante não levar a vida só em função do outro, mas é saudável e necessário que haja momentos só de vocês.
Nem que seja uma conversa de alguns minutos ou uma mensagem durante o dia.
O essencial é manter-se conectado e próximo.

As discussões ficam mal resolvidas:

Discussões mal resolvidas não são nada bom.
Às vezes, o fato de não estar resolvido pode deixar um clima ruim entre os dois.
Aprenda a se comunicar de forma eficaz e não finja que o problema não existe só para não discutir outra e outra vez.

A relação é desigual:

Se sente que você é o único comprometido enquanto o seu parceiro faz o que quer, está na hora de mudar.
Relações desiguais podem acumular ressentimentos e chegar, eventualmente, ao fim.
Às vezes é necessário fazer pequenos sacrifícios num relacionamento, mas isso deve ser equilibrado.
Se a balança não estiver alinhada, é hora de abrir um diálogo sobre o assunto.

Vocês se evitam:

Se você e o seu parceiro se evitam deve haver uma razão para isso.
Talvez tenham desistido, ou talvez haja um problema.
De qualquer maneira, em algum momento, você vai ter que enfrentar a questão.
Perceba o que se passa e tente conversar.

Tentam sempre magoar o outro:

Se há tanta raiva de seu parceiro que você tenta encontrar formas de sempre magoar o outro, este é um território perigoso.
Não só é prejudicial para o seu relacionamento mas emocionalmente abusivo.
Veja qual o motivo de tanta raiva.

Culpam um ao outro constantemente:

Jogar o jogo da culpa pode levar ao fim do casamento.
O casamento exige esforço de ambas as partes.
Se um de vocês se recusa a assumir a responsabilidade ou está mais interessado em encontrar a falha do que uma solução, esse não é o caminho.

Um de vocês age sozinho:

Se um de vocês começou a agir como se estivesse sozinho, isso é algo a ser pensado.
Uma relação é a dois.

Comparações constantes:

Se você constantemente compara o seu cônjuge à outra pessoa, o seu casamento precisa de ser revisto.
Se isso acontece no seu relacionamento, identifique o problema.
Não é saudável pensar noutra pessoa e compará-la com a pessoa com quem está.

Não sente que haja uma solução:

Se você acha que os problemas e as questões já não são possíveis de solucionar, não desanime.
Se ainda quiser salvar o seu casamento, desistir é a última opção.

Tornaram-se inimigos:

Se tornaram inimigos é hora de dar um passo atrás.
Todo o relacionamento tem problemas, mas é fundamental se manterem companheiros.

Questione-se:

Porque poucos momentos péssimos podem sobrepor muitos que foram maravilhosos?
Se péssimo é o antônimo maravilhoso, para sobrepor o maravilhoso, péssimo deve ser em quantidade maior, OU extremamente mau, extremamente ruim, malíssimo… OU o perigoso auto-engano, a ilusão de viver sempre feliz!