Expressões e suas origens inusitadas

Algumas expressões brasileiras são bem populares atualmente.
Contudo, o que poucas pessoas sabem é que esses termos têm origens nas mais diversas culturas e épocas da história humana.

Tirar o cavalo da chuva
Vem dos tempos em que o cavalo era o principal meio de transporte.
Se não tivesse a intenção de demorar, o visitante deixava o animal desprotegido na frente da casa.
Porém, às vezes, o anfitrião o convidava para ficar mais, falando para o amigo abrigar melhor o bicho com a frase “Pode tirar o cavalo da chuva”.
Ou seja: “Desista dessa ideia de ir embora

Fazer uma vaquinha
Na década de 20, a torcida do time carioca Vasco da Gama bolou um novo jeito de incentivar os jogadores: caso o time vencesse, os atletas levavam 10 mil réis ou “um coelho” (animal correspondente no jogo do bicho), coletados entre os torcedores.
No caso de vitória importante, o prêmio era 25 mil, uma “vaca

Papagaio de pirata
A expressão já foi mais popular, mas continua sendo ouvida nos bastidores de programas de TV e até nas redes sociais.
O termo remete ao personagem das expedições marítimas e, na verdade, se refere a uma pessoa que não tem presença relevante numa matéria televisiva ou numa publicação fotográfica.
Entre os profissionais do jornalismo, a expressão indica que a participação do indivíduo no enquadramento da imagem estaria fora do contexto da matéria. Nesse caso, a sua presença sequer foi solicitada, mas ainda assim a pessoa permanece no local para onde câmeras e equipamentos de gravação apontam.

Marmelada
Para fazer o doce do marmelo render mais, acrescentava-se à mistura o insosso chuchu, assim o doce parecia maior e o sabor não era perceptível ao ser degustado pelo cliente.
Como era uma maneira desonesta de se destacar na produção em relação aos outros comerciantes, o termo ficou associado à trapaça e passou a ser sinônimo de algo errado acontecendo.

A cobra vai fumar
Em resposta à afirmação de um jornalista carioca nos anos 1940, que disse que era mais fácil uma cobra fumar que o Brasil entrar na guerra, a Força Expedicionária Brasileira (FEB), escolheu como símbolo para compor sua campanha na Segunda Guerra Mundial, o desenho de uma cobra verde fumando um cachimbo.

Expressões Origens Inusitadas Origens Cavalo Populares Vaquinha Pirata Expressão

puxa-saco
Vem do meio militar.
Foi criada como um apelido aos oficiais que, durante as viagens, carregavam os sacos de roupa de seus superiores.
No decorrer dos anos, o termo saiu da caserna e passou a indicar também um indivíduo que faz de tudo para agradar alguém em quem tenha algum tipo de interesse

Lua de mel
Esse termo é muito difundido entre os recém-casados, representando o primeiro mês seguinte ao matrimônio.
A expressão tem origem na Idade Média, mais precisamente na Irlanda. Naquela época, os meses eram conhecidos como “luas”. Ao longo do primeiro mês dos recém-casados, uma bebida afrodisíaca era oferecida a eles.
Entre os ingredientes estavam levedura, mel, malte e água, o que fez a poção ficar conhecida como mead (termo de origem inglesa para a bebida fermentada a base de mel). Daí tem-se a expressão lua de mel.

Tempo de vacas gordas/magras
Tem origem na Bíblia, na história de José, filho de Jacó.
Levado ao Egito por mercadores de escravos, ele interpretou um sonho do faraó em que sete vacas gordas eram devoradas por sete vacas magras.
Na sua interpretação, isso significaria sete anos de prosperidade seguidos por sete anos de problemas na economia

Botar a mão no fogo
A expressão em português botar a mão no fogo tem suas origens também na Idade Média, quando as técnicas de tortura eram frequentemente utilizadas nos tempos da Inquisição.
Quem alegava inocência mediante uma acusação grave, deveria pegar uma barra de ferro aquecida. Ao agarrar a barra de ferro em brasa, o réu deveria caminhar alguns passos com ela nas mãos.
Suas mãos eram então envolvidas por retalhos de tecidos, e seladas com cera. Após 3 dias, as ataduras eram retiradas: se as palmas não apresentassem sinais de lesão, ficaria evidenciada a inocência do acusado.
Caso contrário, as queimaduras presentes nas mãos seriam provas de sua culpa e a punição era validada.

Postado: 1 ano / Visualizado: 24

Combustível,
mês passado
gastou quanto?