Poemas inéditos de Carlos Drummond


O poema das mãos soluçantes, que se erguem num desejo e numa súplica

Poemas inéditos de Carlos Drummond de Andrade são descobertos em São Paulo

poema,súplica,Carlos Drummond de Andrade,São Paulo,inéditos,Universidade,UFSCar,revista,Raça,1929,Orlando Damiano,Mário de Andrade,Cassiano Ricardo,Menotti Del Picchia,Poemas inéditos,soluçantes,revista raça 2

Três poemas inéditos de Carlos Drummond de Andrade foram encontrados recentemente por uma aluna do curso de Letras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), situada no interior de São Paulo.

De acordo com O Globo, Mayea Fontebasso encontrou os escritos quando fazia sua pesquisa de iniciação científica sobre textos literários publicados na revista “Raça”, editada em São Carlos entre 1927 e 1934.
Os textos do poeta mineiro foram publicados em junho de 1929.

Após encontrar os poemas, a estudante e seu orientador – o professor Wilton José Marques – consultaram inventários e volumes que reúnem os trabalhos de Drummond. Os três poemas não constavam em nenhum deles.
Segundo o jornal, após consultarem Antônio Carlos Secchin, crítico e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), especialista na obra do poeta, eles receberam a confirmação de que o material em questão era realmente inédito.

Dirigida pelo jornalista Orlando Damiano (1903-1933), a revista “Raça” teve grandes escritores brasileiros entre seus colaboradores.

Além de Carlos Drummond de Andrade, publicaram nela nomes como Mário de Andrade, Cassiano Ricardo e Menotti Del Picchia.

poema,súplica,Carlos Drummond de Andrade,São Paulo,inéditos,Universidade,UFSCar,revista,Raça,1929,Orlando Damiano,Mário de Andrade,Cassiano Ricardo,Menotti Del Picchia,Poemas inéditos,soluçantes,revista raça 1

A seguir, você confere a íntegra de “O poema das mãos soluçantes, que se erguem num desejo e numa súplica”, um dos textos inéditos.

O poema das mãos soluçantes, que se erguem num desejo e numa súplica

Como são belas as tuas mãos, como são belas as tuas mãos pálidas como uma canção em surdina…

As tuas mãos dançam a dança incerta do desejo, e afagam, e beijam e apertam…

As tuas mãos procuram no alto a lâmpada invisível, a lâmpada que nunca será tocada…

As tuas mãos procuram no alto a flor silenciosa, a flor que nunca será colhida…

Como é bela a volúpia inútil de teus dedos…

O poema das mãos que não terão outras mãos numa tarde fria de Junho

Pobres das mãos viúvas, mãos compridas e desoladas, que procuram em vão, desejam em vão…

Há em torno a elas a tristeza infinita de qualquer coisa que se perdeu para sempre…

E as mãos viúvas se encarquilham, trêmulas, cheias de rugas, vazias de outras mãos…

E as mãos viúvas tateiam, insones, − as friorentas mãos viúvas…

O poema dos olhos que adormeceram vendo a beleza da terra

Tudo eles viram, viram as águas quietas e suaves, as águas inquietas e sombrias…
E viram a alma das paisagens sob o outono, o voo dos pássaros vadios, e os crepúsculos sanguejantes…

E viram toda a beleza da terra, esparsa nas flores e nas nuvens, nos recantos de sombra e no dorso voluptuoso das colinas…

E a beleza da terra se fechou sobre eles e adormeceram vendo a beleza da terra…

poema,súplica,Carlos Drummond de Andrade,São Paulo,inéditos,Universidade,UFSCar,revista,Raça,1929,Orlando Damiano,Mário de Andrade,Cassiano Ricardo,Menotti Del Picchia,Poemas inéditos,soluçantes,revista raça 3

Próximo Post

Anterior Post



Top 50


iEXE




9dades
       Copyright 2000-2015 - 9dades