De acordo com a neurociência, não há resposta conclusiva para a pergunta, mas há indícios que nos ajudam...